Parceiros e projetos

Argentina

CIFMSL (Centro de Investigação e Formação de Movimentos Sociais Latino-Americanos)

Logo_CIFMSLO trabalho do CIFMSL (Pañuelos en Rebeldía) tem como enfoque investigações participativas sobre as consequências econômicas, sociais e ecológicas dos megaprojetos de mineração, geração de energia e agricultura voltada para exportação. Os resultados destas investigações servem para a elaboração de material didático e são discutidos também em seminários com movimentos locais de várias regiões. O trabalho do centro se baseia nos métodos da educação popular e tem dimensão cultural. Desde 2008, a Fundação Rosa Luxemburgo apoia os ativistas na elaboração de estudos sobre o impacto da mineração e na realização de seminários com movimentos locais e regionais, fomentando dessa maneira o diálogo e a articulação de redes entre comunidades afetadas por megaprojetos de infraestrutura. Geograficamente, o trabalho concentra-se na Patagônia, no noroeste da Argentina, e na região de fronteira com o Brasil e o Paraguai (Tríplice Fronteira).

 

FISYP (Fundação de Investigações Sociais e Políticas)

Logo_FISYPFISYP é um centro de investigações de ciências sociais integrado por professores e intelectuais de esquerda. Além de análise política, o centro dedica-se a realização de cursos de formação com integrantes de movimentos sociais, estudantes e cooperativas. O enfoque temático centra-se na análise do desenvolvimento da sociedade argentina e seu impacto concreto nas condições de trabalho e de vida da população. Neste contexto, é de grande importância a cooperação com a central de trabalhadores CTA no marco de um processo de diálogo para uma nova constituição socialmente justa, assim como a inclusão da FISYP em redes científicas latino-americanas, como CLACSO e SEPLA. A Fundação Rosa Luxemburgo apoia a FISYP na realização de programas de investigação e formação para sindicalistas dos setores de justiça e energia. Aspira-se a melhoria de capacidades de organização, assim como a ampliação de conhecimentos dos trabalhadores sobre como as mudanças no setor de energia e a reforma judicial afetaram os direitos trabalhistas no país.

 

OPSur (Observatório Petroleiro Sul) / CEPPAS (Centro de Políticas Públicas para o Socialismo)

Logo_OPSurEm cooperação bastante próxima com movimentos sociais, OPSur analisa o impacto ambiental da extração de petróleo e do fracking, e apoia o desenvolvimento de energias renováveis. A organização não somente exige uma produção sustentável, mas também um processo de tomada de decisões justo e democrático sobre a administração e distribuição dos recursos. A equipe de OPSur se formou em 2008 e opera a partir de Nequén e Buenos Aires. A organização forma parte do Centro de Políticas Públicas para o Socialismo, CEPPAS, que promove um aprofundamento da democracia em termos de justiça, direitos humanos e sustentabilidade.

 


Brasil

CIMI (Conselho Indigenista Missionário)

Logo_CIMIFundado em 1972 dentro do espírito da Teologia da Libertação, CIMI é a organização mais importante de apoio aos direitos indígenas no Brasil. Principalmente, promove o diálogo intercultural e defende a autonomia e o território dos indígenas. Sobretudo ante os conflitos que enfrentam os povos indígenas com as mineradoras, empresas agrícolas e a máfia da madeira, a organização é de grande importância. Além do apoio que o CIMI oferece ao movimento sem terra e ao movimento indígena, a instituição oferece consultas nas áreas de direito, educação e saúde. CIMI faz parte da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

 

CPT (Comissão Pastoral da Terra)

Logo_CPTA CPT é uma das mais reconhecidas organizações de defesa dos direitos da população rural. Apoia a camponeses, pequenos agricultores, assim como a defensores e defensoras de direitos humanos e acompanha a política do governo a partir de uma perspectiva crítica. Além de apoiar os sem terra, o trabalho da CPT concentra-se nos problemas ambientais que surgem no contexto da política nacional agrícola e de águas, na forma de expropriação de terras, secas e conflitos por água.

 

 

FASE (Federação dos Órgãos para Assistência Social e Educacional)

Logo_FASEFundada em 1961, a FASE é uma das ONGs mais antigas do Brasil. Presente em seis Estados, busca alternativas a políticas neoliberais. Através de campanhas, seminários e publicações, a FASE apoia esforços no âmbito da agroecologia, da economia solidária e dos direitos humanos, e se opõe aos efeitos negativos de projetos de infraestrutura e de extrativismo. A promoção da participação política e social de grupos marginalizados é um resultado essencial para as atividades da FASE. Desde 2003, a ONG é parceira da Fundação Rosa Luxemburgo. No contexto desta colaboração, a FASE elabora material para a resistência pacífica a ameaça representada por projetos de petróleo, mineração e infraestrutura para os grupos de população afetados. Além disso, organiza seminários para ajudar atores locais a melhorarem sua capacidade de formular e representar de maneira eficaz seus próprios interesses. Outro enfoque de trabalho concentra-se no tema de direito à cidade, sobretudo no Rio de Janeiro e no Recife.

 

FPA (Fundação Perseu Abramo)

Logo_FPAA FPA é a fundação do Partido dos Trabalhadores. Por meio de programas educativos, projetos de investigação, publicações e da organização de conferências e eventos, a FPA oferece uma plataforma de debate e intercâmbio entre as diferentes correntes de esquerda no Brasil. A colaboração entre a Fundação Rosa Luxemburgo e a FPA começou em 2003 e teve como enfoque inicial projetos de análise política e de investigação participativa nas áreas de educação, política, promoção de democracia e de luta contra a discriminação de minorias políticas. Desde 2015, o trabalho conjunto concentra-se em eventos comuns, que são transmitidos via livestream pela internet.

 

Instituto Cultivar (Instituto nacional para o desenvolvimento social e cultural no campo)

Logo_InsCultivarO Instituto Cultivar, em cooperação com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o movimento internacional de camponeses, A Via Campesina, advoga pelos direitos de pequenos agricultores, dos sem terra e de comunidades indígenas. Nesta linha, o instituto pronuncia-se em favor da soberania alimentar, ou seja, o direito da população camponesa de definir suas políticas agropecuárias e de produzir alimentos a nível local. O Instituto Cultivar oferece capacitações para a população camponesa, tradicionalmente caracterizada por um grau de educação formal baixo, e apoia o cultivo ecológico e a reforma agrária. Além disso, a oficina regional da Fundação Rosa Luxemburgo organiza anualmente, junto com o MST, um seminário na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), uma instituição de educação pública fundada pelo MST.

 

JnT (Justiça nos Trilhos)

Logo_JnTJnT é uma rede de organizações rurais que se opõem às consequências negativas da mineração e da fundição de ferro no leste da Amazônia e que busca alternativas sustentáveis de crescimento para a região de Carajás. A equipe de JnT publica estudos sobre os danos ecológicos e sanitários provocados pela mineração e exportação de minerais, oferece assistência jurídica e educação aos afetados. Com a ajuda da Fundação Rosa Luxemburgo, a organização informa e sensibiliza o público brasileiro e internacional sobre a situação precária. Além disso, oferece capacitações para ativistas na aplicação de técnicas de comunicação em uma área de trabalho sensível.

 

NPC (Núcleo Piratininga de Comunicação)

Logo_NPCO NPC é uma organização não-governamental localizada no Rio de Janeiro, formada por jornalistas, intelectuais, artistas e outras pessoas que trabalham nos meios de comunicação. O NPC organiza capacitações participativas no âmbito dos meios alternativos (rádios comunitárias, periódicos de bairro e plataformas de internet), conectando aspectos teóricos com a prática cotidiana. Os cursos são oferecidos a comunidades locais, movimentos sociais, sindicatos e outros, com o fim de incentivar a articulação e a defesa dos direitos de grupos marginalizados. Além disso, pretende facilitar o acesso aos meios de comunicação. A Fundação Rosa Luxemburgo apoia o NPC no seu trabalho com jovens nas favelas do Rio de Janeiro, onde são oferecidos seminários e capacitações para, assim, contribuir com uma politização e maior participação da população jovem marginalizada em processos de política urbana.

 

PACS (Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul)

Logo_PACSDesde 1986, o instituto PACS, localizado no Rio de Janeiro, trabalha nos campos de investigação socioeconômica, capacitação e assessoria. Interconectado com várias redes nacionais, latino-americanas e internacionais, o PACS ganhou reconhecimento pelo trabalho sobre desendividamento, formas de economia solidária e alternativas ao modelo de desenvolvimento dominante. Desde 2005, a Fundação Rosa Luxemburgo apoia o trabalho do PACS nas análises de consequências sociais, ecológicas e econômicas relacionadas às atividades da siderúrgica alemã Thyssen-Krupp (TKCSA) no oeste do Rio de Janeiro. Neste contexto, a população local recebe apoio na articulação e defesa de seus direitos, e na busca por possibilidades de um desenvolvimento autodefinido. Outro campo de trabalho do PACS concentra-se no impacto socioeconômico e ecológico dos megaeventos no Brasil (Copa do Mundo de 2014, Jogos Olímpicos de 2016).


Chile

Anamuri (Associação Nacional de Mulheres Rurais e Indígenas)

Logo_AnamuriAnamuri é uma associação que representa os interesses de pequenas agricultoras, empregadas temporárias no setor de agroexportação, trabalhadoras rurais e pescadoras em muitas regiões do Chile. É a organização mais importante de feministas de base no Chile e forma parte da rede internacional de pequenos camponeses, A Via Campesina. A nível nacional, Anamuri organiza uma campanha pelos direitos das trabalhadoras que recebem por jornada no setor agrário, e realiza um intercâmbio crítico com parlamentares e o governo, além de representar os direitos destas mulheres em órgãos nacionais e internacionais.

 

Associação Grupo de Trabalho pelos Direitos Coletivos /Mapuexpress

Logo_MapuexpressOs integrantes desta associação advogam pela defesa dos direitos dos Mapuche no Chile, que estão altamente marginalizados em termos socioeconômicos e políticos. Organizam a resistência jurídica e cultural ao perigo que enfrentam os Mapuche no contexto do monocultivo de pinheiros e eucaliptos, indústrias de celulose, centrais hidroelétricas e redes de eletricidade. Neste contexto, informam e sensibilizam sobre as práticas repressivas que são aplicadas por empresas privadas ou pelo governo.

 

ICAL (Instituto de Ciências Alejandro Lipschutz)

Logo_ICALO ICAL, próximo do Partido Comunista chileno, foi fundado em 1983. Na linha de seu objetivo de transformação sócioecológica da sociedade chilena, dedica-se a um campo de trabalho bastante amplo: O conteúdo do trabalho abarca desde a história do movimento sindical chileno e o desenvolvimento rural sustentável até perspectivas de gênero. Parte fundamental do trabalho é a cooperação com os sindicados, com os quais colabora de maneira bastante próxima desde o início. No marco da cooperação com a Fundação Rosa Luxemburgo, o ICAL pretende fomentar os direitos trabalhistas e sindicais, oferecendo programas de formação para sindicalistas nos âmbitos de organização e resolução de conflitos.

 

OLCA (Observatório Latino-Americano de Conflitos Ambientais)

Logo_OLCAO OLCA, uma das organizações ambientais mais importantes do Chile, comprometeu-se com a sensibilização no âmbito dos direitos ambientais, e no intercâmbio e a formação de redes a nível nacional. O enfoque temático da ONG concentra-se na justiça ambiental, nos direitos dos cidadãos e nas consequências negativas de megaprojetos e outras formas de extrativismo. Outra prioridade é o acesso à água, assim como a promoção de energias alternativas. Além de oferecer assessoria jurídica e apoiar processos de mediação em comunidades locais durante conflitos ambientais, o OLCA conduz campanhas e elabora material educativo e informativo. Para a realização de projetos de investigação e formação sobre conflitos em regiões de mineração assim como no desenvolvimento de possíveis soluções e alternativas, a organização ambiental recebe apoio por parte da Fundação Rosa Luxemburgo.

 

Paraguai

BASE-Investigações Sociais

Logo_BaseISO instituto de investigação independente de ciências sociais, BASE-IS, dedica-se à análise do desenvolvimento político, social e econômico do Paraguai. Os resultados destes trabalhos, que não abarcam somente estudos científicos, mas também material didático, são usados pela mesma instituição assim como por numerosos movimentos e organizações paraguaias, onde se empregam em um contexto de educação política. O enfoque temático de BASE-IS gira ao redor da soberania alimentar, do desenvolvimento rural, da agroindústria, dos direitos de migração e da juventude. A Fundação Rosa Luxemburgo apoia o instituto no marco de programas de investigação e capacitação sobre alternativas políticas e econômicas.

 

SERPAJ-PY (Serviço de Paz e Justiça – Paraguai)

Logo_SERPAJA organização de direitos humanos SERPAJ-Paraguai forma parte da rede internacional SERPAJ. Desde o ano 1988, ainda durante a ditadura militar, SERPAJ-Paraguai dedica-se ao tema dos direitos humanos, analisando e sistematizando hoje em dia informações e dados sobre a situação dos direitos humanos no Paraguai. Além disso, assessora as organizações sociais, oferece capacitações e atua na mediação de conflitos. Nos últimos anos, concentrou cada vez mais a atenção à crescente criminalização de movimentos sociais no país e no impacto da política pública sobre jovens marginalizados. Com o apoio da Fundação Rosa Luxemburgo, SERPAJ-Paraguai oferece cursos de direitos humanos em regiões militarizadas, para assim contribuir com a representação pacífica dos interesses das organizações de pequenos agricultores.

 

Uruguai

CBB (Casa Bertolt Brecht), Uruguai

Logo_CBBA Casa Bertolt Brecht, localizada em Montevideo, é um centro cultural que foi fundado em 1964 por Ernesto Kroch, um judeu alemão-uruguaio que emigrou ao país sul-americano em 1938. Durante muitos anos, a CBB foi o instituto cultural da associação de amizade Uruguai-RDA. Hoje em dia o centro dedica-se à educação política no campo de direitos humanos, à confrontação crítica com o passado, o acesso a bens comuns e à democratização da sociedade. Desde 2003, a CBB é parceira da Fundação Rosa Luxemburgo. No contexto desta cooperação, foram analisados processos participativos políticos no Uruguai desde uma perspectiva crítica, com o objetivo de fomentar a participação de grupos marginalizados, jovens e iniciativas cidadãs locais nestes processos. Além disso, no marco de seminários e conferencias, foram desenvolvidas alternativas à repressão de jovens delinquentes.

 

SERPAJ-UY (Serviço de Paz e Justiça – Uruguai)

Logo_Serpaj-UYA organização de direitos humanos SERPAJ-Uruguai, parte da rede internacional de SERPAJ, tem se comprometido com os direitos humanos desde 1985, quando o país ainda era governado pela ditadura militar. Sendo a organização de direitos humanos mais tradicional e de prestígio, não vacila em apontar abertamente as deficiências do governo de esquerda governante. Além de oferecer assessoria e formação no âmbito dos direitos humanos, SERPAJ-Uruguai tem aportado uma importante contribuição na confrontação crítica com o legado da ditadura militar. Fora isso, ganhou reconhecimento por sua publicação anual sobre a situação dos direitos humanos no Uruguai, patrocinada pela Fundação Rosa Luxemburgo.

 

WRM (World Rainforest Movement, Uruguai)

Logo_WRMWRM é uma rede internacional que se dedica à proteção das florestas tropicais. A partir de sua sede principal no Uruguai, advoga contra a expansão dos monocultivos de eucalipto e pinheiros, e, no Brasil, contra a expansão do dendê. Mediante seu trabalho, a organização não somente apoia os direitos das comunidades locais sobre suas florestas e territórios, como também faz uma contribuição contra a mercantilização da natureza, através dos assim chamados serviços ambientais.

 

 

Informamos que apesar do cuidado que dedicamos em organizar as informações, os dados podem ser incompletos ou não estarem atualizados.