Reflexões sobre a obra de ANGELA DAVIS, SP, 1/12



Mulheres, raça e classe

A Fundação Rosa Luxemburgo promove, em 1º de dezembro de 2016, a partir das 18h30, uma roda de conversa sobre o pensamento de Angela Davis e o papel das relações de gênero e raça no sistema capitalista. Publicado pela primeira vez nos Estados Unidos em 1981, o livro Mulheres, raça e classe da filósofa, intelectual e ativista Angela Davis ganhou, em 2016, tradução em português em uma edição da Boitempo.

A obra, que já se tornou uma referência clássica nesse debate, discute temas atuais e necessários, problematizando os conceitos recorrentes na epistemologia dominante. Angela Davis apresenta uma renovada perspectiva revolucionária para a prática política, ao discutir o quanto a opressão racial e de gênero é um pilar fundamental da estrutura capitalista nas sociedades escravocratas.

Davis discorre nesta obra sobre o conceito de interseccionalidade (que seria cunhado como tal apenas em 1989, com o trabalho de doutorado da norte-americana Kimberlé Williams Crenshaw), que aborda a importância do estudo da relação entre distintas estruturas de opressão na vida de setores discriminados da população, especialmente, as mulheres negras.

convite-angela-2-corretoEm um momento onde a esquerda busca se reinventar e refletir sobre a sua prática e recentes derrotas, a Fundação Rosa Luxemburgo convida a todxs para a Rosa de Conversa Angela Davis: raça e gênero na reprodução do capital. A atividade contará com a participação da jornalista, educomunicadora, fundadora da consultoria AfroEducação, e educadora em formação de professorxs, Paola Prandini, e de Rosane Borges, doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), autora de diversos livros, entre eles, o recém-lançado, Esboços de um tempo presente.

Participe.

SERVIÇO
Angela Davis: raça e gênero na reprodução do capital
Data: 1º de dezembro de 2016
Local: Ferreira de Araújo, 36 – Pinheiros (próximo à estação Faria Lima do Metrô)
Horário: a partir das 18h30
Confirme sua presença no Facebook